Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
Arquitetura hospitalar: Volumetria assimétrica faz interlocução com o entorno
A unidade Perdizes do Hospital lsraelita Albert Einstein, em São Paulo, é um edifício de volumetria horizontal, que faz da afinidade com a morfologia densa do entorno o argumento de um projeto baseado no máximo aproveitamento do lote. Tirando partido das qualidades do tecido urbano, seus recuos, fluxos e visuais, priorizou-se a implantação compacta, em monobloco, mas que parece se desmembrar em altura, acompanhando as faces de alinhamento do lote.

A concepção arquitetônica teve início em 2006, com a avaliação fundiária e a consultoria em legislação urbana. Naquele ano, a aprovação da lei municipal 14.242, de incentivo à implantação de hospitais, delineou novo panorama legal para a construção da unidade especializada em oncologia, principalmente pelo coeficiente quatro de aproveitamento. Esse potencial extra, poderia ser utilizado vertical ou horizontalmente, explica Adriana Levisky, autora do projeto ao lado de Arthur Brito, arquiteto do escritório Kahn do Brasil.

A opção recaiu sobre a horizontalidade, que facilita o fluxo de pacientes e da equipe médica.

A proposta previa que, além de humanizada e funcional, a unidade hospitalar deveria ser sociável. Adriana relata que, já no projeto que ela havia desenvolvido anteriormente para o plano diretor da sede do Albert Einstein, no bairro do Morumbi, esteve às voltas com o princípio da criação de espaços humanizados, qualidade que tem impacto em várias escalas, desde o sistema construtivo até a ambiência interna.

Um dos diferenciais do empreendimento é a inserção em região consolidada da cidade - ainda que de uso predominantemente residencial -, o que, em comparação com as grandes massas edificadas que a constituem, fez com que os escassos recuos do Einstein tivessem impacto atenuado no entorno. Colabora para isso a angularidade da face frontal do edifício, desmembrada em duas fachadas suspensas de vidro grafite, insulado e serigrafado. Elas estabelecem a relação direta do ambiente hospitalar com as referências urbanas locais, pois os grafismos que as individualizam - um, linear e horizontal; o outro, um mosaico colorido – comunicam interna e externamente o posicionamento relativo da edificação. As áreas sociais e de atendimento são lindeiras às superfícies envidraçadas, que, na esquina, voltam-se para a avenida Sumaré. Os setores de serviço prolongam nos interiores o eixo funcional de acesso pela Rua Apiacás.
Estruturalmente, a série de pilares periféricos e o core central, ambos de concreto, geram a planta livre do hospital em Perdizes, a fim de melhor acomodar o complexo programa. Em termos gerais, cada laje foi dividida em dois setores paralelos, delimitados pelo núcleo de escada e elevadores: a parte da frente tem vocação social, com salas de espera, de atendimento e cafés, enquanto na posterior predominam as áreas de serviços.

A interlocução da arquitetura com o empreendimento hospitalar é bem específica, relata Adriana. "São várias equipes e sistemáticas de trabalho, como se fossem vários clientes", cujas demandas precisam ser orquestradas por uma diretriz maior. No caso, a da socialização e dos mínimos deslocamentos verticais, mesmo considerando tratar-se de uma edificação com dez pavimentos no total, metade aérea e metade enterrada.

No que se refere à sustentabilidade, a meta é obter o certificação Leed na categoria Prata. "Trabalhamos com fachada ventilada associada à pele de vidro insulado, cuja coloração grafite reduz a incidência solar nos interiores", conclui a arquiteta.
Ficha Técnica

Hospital lsraelita Albert Einstein/Unidade Avançada Perdizes
Local: São Paulo, SP
Data do inicio do projeto: 2008
Data da conclusão da obra: 2010
Área do terreno: 2.503,90 m²
Área construída: 20.000 m²
Arquitetura: Levisky Arquitetos Associados - Adriana Levisky (autora), Carina Terra, Flávia Sousa, Julianny Rafea, Ligia Gonçalves, Lilian Braga, Luciana Magalhães, Raquel Abdian, Renata Gomes, Rosãngela do Nascimento e Tatiana Antoneli (equipe); Kahn do Brasil - Arthur Brito (coautor), Adriana Salles, Carlos Eduardo Furtado, Carolina Botelho e Eleonora Zioni (equipe).
Estrutura: ETCPL
Estrutura metálica: Cia. de Projetos

Fornecedores
ABC Pisos (divisória de granilite);
Aluservice/ EuroCentro (cortinas e persianas);
Amazônia, Armando Cerello, Brecton Actual, Artefacto, Devant, Manufatura, Unit, Lafer, L:oeil, Ponto Com, Riccó, Teto, Tok&Stok, Fernando Jaeger (mobiliário);
Apoteka, Nikko, Unit (armários);
Bausystem (piso elevado);
Braston (pisointertravado da calçada);
Bravargen (revestimento vinílico de parede);
Colormix (pastilhas de vidro);
Construções GBN (estrutura de concreto);
São Francisco (espelhos);
Crismoe (barras de acessibilidade);
Deca (louças e metais);
Dorma (equipamentos de automação);
Dumont (heliponto);
Selten (elétrica e hidráulica);
Enthal (ar-condicionado);
Flow Técnica (bancada de inox);
Forbo (piso vinllico);
Glassec (películas dos vidros);
Hidrocon (calhas);
Icometa (batentes de aço);
llibruck-Sonex (forro de madeira);
Isocor (pintura);
Itaim (luminárias);
J&K Sunto (aço inox);
Meta Steel (estrutura metálica);
Metálika (portas corta-fogo);
Mills (fõrmas);
MR (blindagem);
Osram (lâmpadas);
Pauli Plac (forro de gesso);
Pial (acabamentos de elétrica);
Portinari (azulejos);
Rockfibras (revestimentos acústicos);
Steel Metalma (esquadrias de ferro);
Syfuentes (marcenaria);
Técnica (caixilhos);
Terra Verde (paisagismo);
ThyssenKrupp (elevadores);
Wallplac (divisórias de gesso);
Yale La Fonte (fechaduras)
Revista Projeto Design – Novembro 2010
Reportagem: Evelise Grunow
Fotos: Nelson Kon
Data de publicação: 15/12/2010