Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
Aplicação de estacas-pranchas em estacionamento subterrâneo no Reino Unido
Soluções em contenção: Estacas-pranchas de aço laminadas a quente
O New Islington Millenium Village, a uma pequena distância ao leste do centro da cidade de Manchester, é algo nada convencional como pode sugerir as formas “Chips” dos esquemas residenciais planejados. O designer do projeto, o arquiteto britânico Will Alsop, é famoso por desenhar edifícios de formas não usuais distintas pelo seu uso vibrante de cores. Rodeada de água dos três lados, sua última invenção promete ser um dos prédios mais notáveis de Manchester, com formas e revestimentos dramáticos. Com altura de nove andares, a edificação faz ziguezague ao longo da borda do Canal Ashton como um grupo de elementos de três andares (“Chips”) empilhados uns sobre os outros.
Projetado pelo arquiteto britânico Will Alsop, o surpreendente edifício Chips é um dos principais traços do desenvolvimento da New Islington Millenium Village de Manchester.

Desenvolvidos pela Urban Splash, os “Chips” - totalizando 142 apartamentos - é o primeiro projeto disponível para vendas particulares em New Islington.

Lançados em dezembro de 2005, as casas, espaços de trabalho e estacionamento subterrâneo têm previsão de conclusão para o final de 2008. As estacas-pranchas foram estabelecidas como a solução ideal para estender os canais de New Islington e foram ainda a escolha natural para a parede de contenção do estacionamento subterrâneo de um nível da edificação.

De rápida instalação, as estacas-pranchas são os elementos de contenção mais econômicos para canteiros dentro das cidades enfrentando restrições de espaço ou altos níveis de lençóis freáticos.

A primeira fase do projeto – construção de um novo braço de canal a partir do Canal Ashton – foi realizada em 2003. 415 toneladas de estacas-pranchas AZ 25 em grau de aço S 270 GP, variando de 6 a 11 m de comprimento, foram instaladas como uma parede de contenção em Cantilever (sem utilização de ancoragem) suportando os aterros do novo canal. Além disso, diversas estacas especiais com perfis de canto Omega 18e C 9, oito estacas dobradas (ângulo de dobra: 11°) foram usadas para construir os cantos e curvas do canal. Uma viga de coroamento de concreto reforçada foi fixada no topo das estacas-pranchas.
Novos braços de canal foram construídos em New Islington em 2003 usando estacas-pranchas de aço AZ 25 como elementos de contenção
O solo atrás do braço do novo canal foi removido três anos depois, deixando a parede AZ 25 como a única separação entre a água do novo canal e a escavação da fundação do edifício Chips.

A segunda fase foi lançada investigando a geologia do local do antigo Hospital Ancoats. Isto foi feito pela Coffey Geotechnics (antiga Edge Consultoria).

Diversos furos de 30 m de profundidade foram perfurados para prever a cravabilidade das estacas-pranchas.

Os registros dos furos mostraram três metros de aterro cobrindo argila arenosa rígida em valores SPT com média de 20 golpes a uma profundidade de 13 m.

Mais no fundo, os valores aumentam para 40 golpes onde prevalece uma mistura de areia densa e granular. O lençol freático foi encontrado alto em razão dos diversos canais de New Islington.

A completa vedação da fundação foi atingida com soldagem dos conectores.
As estacas-pranchas AU 25 foram instaladas durante a segunda fase de construção como a parede externa permanente da fundação de nível individual do edifício Chips.
As estacas AU 25 e AZ 25 são os únicos elementos que separam a fundação dos diversos meios – solo e água do canal – e, portanto, minimizam a perda de espaço. A fundação do edifício Chips compartilha uma parede com o empreendimento adjacente. As estacas-pranchas da segunda fase foram tranportadas de caminhão do laminador em Luxemburgo para Manchester em março de 2006.

A contratante das estacas, Stent Foundations Limited, usou uma aparelhagem da ABI encaixada com um martelo vibratório para instalar as 312 estacas individuais AU 25 de até 13 m de comprimento. Um poço de 5 m de profundidade foi então escavado para executar a laje de concreto reforçado com uma conexão impermeável na parede de estaca-prancha. Os 250 mm superiores das estacas AU foram distribuídos na viga de coroamento ao longo de toda a parede de contenção. Assim como as estacas-pranchas AZ, os conectores das estacas AU foram vedados com solda para obter uma parede impermeável em cada lado do subterrâneo. Uma laje superior de 300 mm de espessura completou a estrutura subterrânea.

A fundação do edifício Chips foi projetada pela Martin Stockley Associates, uma consultora de Manchester. A verificação de engenharia de incêndio comprovou que nenhuma proteção contra incêndio era necessária para a maioria das estacas-pranchas, na medida em que foram instaladas próximo aos canais. No entanto, para a parte superior da parede comum também ao edifício vizinho foi necessário providenciar um reforço de concreto nos moldes da estaca-prancha na posição das colunas acima, uma vez que não havia nenhum solo para permitir uma fonte de frio adequada.

As estacas foram limpas com jato de areia para permitir uma superfície limpa e regular, e depois deixadas para enferrujar. Não foram revestidas para manter uma aparência industrial do aço – um reconhecimento do passado da cidade. Em razão dos diferentes elementos atrás das estacas-pranchas (p. ex., solo, água ou ar), a aparência da superfície das estacas varia.
38|39 As estacas-pranchas AU 25 foram instaladas durante a segunda fase de construção como a parede externa permanente da fundação de nível individual do edifício Chips
40|41 As paredes de estacas-pranchas para contenção do solo e da água permitiram construção a seco dentro da escavação.
42 O edifício adjacente tem uma parede de estaca-prancha comum ao edifício Chips
43 Uma conexão impermeável da laje de fundo à estaca-prancha e os conectores vedados com solda asseguram que nenhuma gota d’água irá penetrar no estacionamento subterrâneo
44 O projeto da Splash deverá estar concluído até 2008
45 As estacas-pranchas foram limpas com jatos de areia, depois deixados sem revestimento para manter a aparência industrial de aço
Data de publicação: 19/08/2010