Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
Aplicação de estacas-pranchas em estacionamento subterrâneo na Holanda
Soluções em contenção: Estacas-pranchas de aço laminadas a quente
Haarlem está localizada a 20 km a oeste da capital holandesa, Amsterdã.

A decisão de re-projetar uma área interna da cidade de dois hectares como uma reação à falta de espaço de estacionamento, entre outros motivos, foi tomada em 1998. A empresa responsável pelo desenvolvimento Bouwfonds MAB Ontwikkeling e a cidade de Haarlem inauguraram o “Raaksproject” em 2004, que inclui o lançamento de 220 apartamentos e uma área comercial de 20.000 m2.
A infraestrutura existente, um estacionamento público e diversos prédios escolares foram demolidos. A primeira fase do Raaksproject, incluindo um estacionamento de dois níveis, 200 vagas (P2), foi lançada em setembro de 2006. Construído principalmente com paredes de estaca-prancha AZ 26, o estacionamento estará provisoriamente acessível ao público.

A construção do grande estacionamento público de três andares P1 com capacidade para 1.000 veículos, bem próximo do estacionamento menor, começou em janeiro de 2007.

A construção foi dividida em 2 partes: P1A e P1B. A parede de contenção principal que circundava a escavação foi executada com as estacas-pranchas AZ 36-700. A conclusão está programada para 2009, como parte da segunda fase do Raaksproject. Uma vez que o estacionamento maior estiver aberto, seu equivalente menor ficará acessível somente para os proprietários dos apartamentos recém-construídos.

Em ambos os estacionamentos as paredes de Estaca Prancha são permanentes e consideradas como acabamento final.

A análise do solo foi realizada baseada no teste de CPT (Ensaio de penetração do cone), técnica geralmente usada na Holanda. Fornecendo dados em tempo real, o método consiste em um cone de aço que é pressionado para dentro do solo hidraulicamente. Sensores na ponta do cone recolhem dados para classificação de tipos de solo. A elevação da superfície variava de El. +0,5 para +1,0 m e o lençol freático
foi localizado logo abaixo da superfície a El. -0,10 m. A resistência do cone da camada de solo superior era muito baixa (< 2 MN/m2). A uma profundidade de 6 metros, a resistência subiu para 15 – 20 MN/m2.

1.670 toneladas de estacas-pranchas AZ 36-700 e 250 toneladas de AZ 36 foram entregues no canteiro em Haarlem. A primeira estaca para a parede de contenção do estacionamento com capacidade para 1000 veículos foi instalada em setembro de 2006.

Uma vez que as estacas AZ estavam no solo, ele foi escavado até uma profundidade de El. -1,60 m.

O nível do lençol freático foi rebaixado para El. - 5,3 m antes dos tirantes superiores serem fixados a El. -1,10 m.
A cada três pares de AZ 36-700 um tirante foi instalado, correspondendo a um espaçamento constante de 4,2 m (c/c = 3,78 m para estacas AZ 36). A escavação continuou e o segundo nível de tirantes foi instalado a El. -4,15 m. O nível de água foi elevado para El. 0,0 m novamente antes da escavação da profundidade de -12,50 m e da colocação de uma camada de pedregulho e uma sub-base de 1.500 mm de concreto submerso. Estacas de Jet Grouting foram executadas para travar a laje de fundo após a drenagem da água.

Os seguintes tipos de estacas duplas AZ em grau de aço S 355 GP foram instalados:

P1A: 670 toneladas AZ 36-700 Comprimento de 20-22,5 m P1B: 250 toneladas AZ 36, comprimento de 19,5 m e 1.000 toneladas AZ 36-700 Comprimento de 19,5 – 23,5 m.

As estacas-pranchas duplas foram entregues já soldadas no conector central. Nenhum outro método de vedação temporária foi usado para impedir trabalhos de soldas posteriores.

Uma vez que a cravação estava concluída e a escavação da construção drenada, os demais conectores foram soldados para garantir a impermeabilidade total. A análise de resistência ao fogo demonstrou que nenhuma proteção especial era necessária.


Dois métodos diferentes foram usados para cravação das estacas: as estacas AZ 36 foram cravadas em estacas quádruplas com um martelo de pressão ABI, modelo HPZ (energia de pressão: 4x800 kN). As outras estacas foram instaladas com um martelo vibratório de alta frequência PVE 2335 VM com valor de momento variável (momento de excentricidade: 0-35 kg/m, força centrífuga: 2000 kN) suspenso por
um guindaste de esteira. Um gabarito foi utilizado para posicionar as estacas corretamente; a verticalidade foi verificada com um nível de bolha de ar.
A sub-base também atua como um sistema de escoramento, recebendo a transferência do empuxo da parede de contenção da estaca-prancha, permitindo que a água fosse bombeada da escavação uma vez que o concreto submerso tinha atingido uma rigidez suficiente.

Um sistema de drenagem horizontal e uma laje de concreto de 700 mm foram executados a seco, tornando a conexão impermeável. Studs soldados nas estacas AZ transmitem as forças cortantes entre as estacas-pranchas para a laje da base.
Os três pisos subterrâneos foram construídos na sequência, sendo os tirantes cortados após a execução das lajes dos subsolos. Perfis de UPN com um comprimento médio de 500 mm foram soldados nas almas das estacas AZ para permitir que um perfil em formato L fosse fixado a uma distância padrão de 150 mm dos flanges da estaca-prancha. Uma laje pré-fabricada de 200 mm foi posicionada no perfil L 150*15. Foi colocada uma fôrma nos moldes das estacas-pranchas e outros 100 mm de concreto foram então postos na placa pré-fabricada para obter uma placa forte de 300 mm de espessura permanente. Um sistema de fundação separada foi construído tornando inútil que a conexão periférica transmitisse as altas cargas do estacionamento e dos prédios construídos no topo. A laje superior do 1º nível coincide com o topo das estacas-pranchas a El. +1,0 m.

Um detector de desengate foi usado para garantir que os conectores das estacas duplas AZ estivessem 100% encaixados. Soldado no fundo do conector antes da cravação, o detector está equipado com um pino sensor que é cortado pela estaca seguinte.

Estas informações são transmitidas para a unidade de monitoramento na superfície, notificando a contratante se o desengate é um problema no canteiro.
Data de publicação: 19/08/2010