Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo

O que influencia a vida útil de uma manta asfáltica?

Um dos processos de impermeabilização mais utilizados no país é o com manta asfáltica. Este material flexível é feito à base de asfalto modificado com polímeros e estruturantes - poliéster ou polietileno. É indicado para áreas sujeitas a dilatações, pois acompanha as irregularidades da estrutura sem sofrer rachaduras e nem comprometer seu desempenho.

Um dos fatores que faz do projeto de impermeabilização tão importante em uma obra, no caso do método com mantas asfálticas, é a escolha do tipo de manta de acordo com a superfície a ser protegida. A opção errada pode acarretar problemas futuros, como infiltrações, além de trazer dor de cabeça desnecessária.

A química Juliana Grippa apresentou durante o 15º Simpósio Brasileiro de Impermeabilização, realizado pelo IBI Brasil, o trabalho "Estudo da Influência das Classes de Mantas Asfálticas na Performance do Produto ao Longo do Tempo", um dos premiados na categoria Profissional, mostrando o impacto da quantidade de polímeros presentes no material impermeabilizante em sua vida útil, e, consequentemente, na impermeabilização da estrutura. Em sua apresentação, a profissional se baseou na comparação em laboratório de 11 mantas asfálticas de diferentes fornecedores e classes (A, B e C).

Foi observado que apenas sete materiais cumpriam o prometido em suas respectivas embalagens, mantendo-se na classe indicada. Através de um teste no qual a flexibilidade e pontos de amolecimento e penetração foram analisados sob variação de temperatura e envelhecimento acelerado, foi possível identificar a real classe das mantas. Quanto mais flexível a manta permanecia sob baixas temperaturas, melhor era sua classe e vida útil, e vice-versa.

No experimento, mantas de classe A ainda apresentaram flexibilidade em temperaturas abaixo de zero, possibilitando a conclusão de que possuem maior teor de polímeros, ou polímeros de maior qualidade, com expectativa de vida em torno de 15 anos. Já as de classe B tiveram um desempenho intermediário, com chegando de 12 anos de vida útil, enquanto as de classe C não mantiveram a característica, indicando a baixa quantidade ou qualidade de polímeros, com expectativa de 10 anos.

Segundo a química, a quantidade de polímeros neste caso foi fundamental para a obtenção destes resultados, visto que são eles que aumentam a elasticidade e flexibilidade do material em questão.

O IBI destaca a importância do investimento em um projeto de impermeabilização especializado, com profissionais e fornecedores de confiança, garantindo o melhor serviço em todos os aspectos. Saiba mais no site do IBI e conheça as empresas associadas do Instituto.

Notícias

CONSTRUÇÃO CIVIL
Otimismo da Indústria de materiais cresce em fevereiro
ECONOMIA E MERCADO
Construção peruana deve crescer exponencialmente
ARQUITETURA
Elétrica e solar, residência gera mais energia do que consome
EMPRESAS
Emccamp lança condomínio fechado em Ribeirão das Neves

ECONOMIA E MERCADO
Apesar de ainda se observar queda nas atividades, construtores mineiros permanecem otimistas
ARQUITETURA
Em dois níveis, fluxos independentes
INFRAESTRUTURA
AES Tietê inaugura primeiro sistema de armazenamento de energia do País
ECONOMIA E MERCADO
Construção quer elevar lançamentos em 30%

EMPRESAS
Lafaete pretende ampliar faturamento em 34% neste ano com serviços em steel frame
ARQUITETURA
Prédio em Goiás terá fachada de vidro capaz de gerar energia solar
ARQUITETURA
Reforma dota duplex de sala ao ar livre
ARQUITETURA
Nova ponte do Guaíba ganha prêmio nacional de sustentabilidade