Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo

Brasil precisa investir 4,7% do PIB em infraestrutura para atingir média global

Segundo estudo, país precisaria mais do que dobrar o nível de investimento na área para se igualar à média global; potencial de crescimento é alento, já que um aumento de 1% levaria a avanço de 2,1% do PIB brasileiro

O Brasil precisaria mais do que dobrar seu nível de investimento em infraestrutura nas próximas duas décadas, atingindo 4,7% do Produto Interno Bruto (PIB), para se igualar à média global, concluiu um estudo da consultoria McKinsey, elaborado a pedido do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Corporação Financeira Internacional (IFC, na sigla em inglês), do Banco Mundial.

De acordo com o levantamento, o país deveria elevar a 4,7% do PIB seu investimento no setor pelos próximos 20 anos para acumular um estoque de infraestrutura equivalente a 70% da economia brasileira, percentual que é a média global do segmento.

Entre 2000 e 2016, porém, o Brasil aplicou em média apenas 2,1% do PIB em infraestrutura.

Com a crise, o investimento diminuiu ainda mais: no ano passado, o aporte foi de 1,69% do PIB, segundo estimativa da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib).

Carlos Eduardo Gondim, sócio da McKinsey, acredita que a defasagem brasileira é uma oportunidade de crescimento, uma vez que o impacto positivo do investimento em infraestrutura na economia é maior aqui do que em outros países.

No Brasil, um aumento de 1% no investimento em infraestrutura levaria a avanço de 2,1% do PIB ao longo de uma década, revelou o estudo.

A média global é de 1,6% nesse tipo de comparação, variando entre 1,8% nos EUA e 0,6% no Japão, por exemplo. "Aqui, o efeito multiplicador no PIB é ainda maior", ressaltou Gondim.

O avanço do investimento esbarra na crise do setor de construção civil no Brasil com a recessão e as repercussões da Lava Jato sobre as empresas do segmento. De acordo com o levantamento, a receita líquida das 50 maiores construtoras despencou de R$ 69 bilhões, em 2013, para R$ 27 bilhões em 2017.

"A infraestrutura é um dos elementos mais fundamentais para a retomada. Felizmente temos um mecanismo que permite a construção voltar. O PPI (Programa de Parcerias de Investimentos, de concessão) foi montado para criar um fluxo de projetos", defende o presidente do BNDES, Joaquim Levy, que complementou ainda que "O BNDES participa com a estruturação e o financiamento. Talvez, agora, com um financiamento diferente, com investidor privado mais integrado. E há demanda para investimento de longo prazo, com renda estável por muitos anos", diz.

Fonte: Brasil Econômico/ da Agência O Globo

Notícias

ECONOMIA E MERCADO
20 mil vagas de trabalho na construção civil em quatro meses
ARQUITETURA
Soluções sustentáveis na construção moderna
INFRAESTRUTURA
Energia renovável gerou 11 milhões de empregos no mundo em 2018
EMPRESAS
"Agro Pinheiro": campanha estimula a venda de produtosagrícolas na Ferragens Pinheiro

acidentes em obras lideram o ranking
CONSTRUÇÃO CIVIL
Acidentes em obras lideram o ranking
CONSTRUÇÃO CIVIL
Controle e fiscalização auxiliam para correta destinação dos resíduos da construção
CONSTRUÇÃO CIVIL
Saiba como tornar sua casa sustentável sem gastar muito
CONSTRUÇÃO CIVIL
Caroço de açaí vira concreto permeável em Belém

solucoes arrojadas
ARQUITETURA
Soluções Arrojadas
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Casa modular em SP é desmontável e transportável
CURSOS
Execução de Estruturas de Aço
CURSOS
Estruturas Mistas de Aço e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares