Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo

Paulista terá novo vão-livre e três centros culturais nos próximos anos

A via terá novos espaços culturais, como a sede do Instituto Moreira Salles e uma unidade reformada do Sesc, um shopping com 160 lojas e torres de escritórios.

Paulista terá novo vão-livre e três centros culturais nos próximos anos
Depois que as luzes de Natal forem retiradas, a avenida Paulista começará a ganhar cara nova. Além da ciclovia, cujas obras têm início previsto para 5/1, novidades que já começaram a ser construídas serão descortinadas nos próximos três anos. A via terá novos espaços culturais, como a sede do Instituto Moreira Salles e uma unidade reformada do Sesc, um shopping com 160 lojas e torres de escritórios.

O shopping Cidade de São Paulo, previsto para abril de 2015, será a primeira construção a ficar pronta. Mais de 90% dos espaços já foram comercializados para marcas como Arezzo, Cavalera, Diesel e Starbucks.

Ao longo dos cinco andares do empreendimento, funcionarão também oito restaurantes, como o Almanara e o Andiamo, seis salas de cinema e um teatro. No térreo, haverá um jardim com tamanho equivalente a um quarto de um campo de futebol, coberto por 60 árvores nativas.

Estaremos presentes de maneira irreplicável no coração de São Paulo", afirma José Roberto Voso, diretor de shoppings da Cyrela Commercial Properties, construtora do empreendimento, que demandou investimento de R$ 500 milhões.

Junto ao shopping, está em construção a Torre Matarazzo, com 13 pavimentos de escritórios, nos quais poderão trabalhar até 3.000 pessoas. O nome faz referência ao casarão da família Matarazzo, erguida no mesmo terreno e demolida em 1996.

Futuros prédios na Paulista

A cultura ganha ainda mais espaço a partir de 2016, quando o Sesc pretende reabrir sua unidade na avenida. O prédio de 15 andares foi fechado em 2010 para uma reforma completa, que inclui três novas salas de espetáculo, áreas de exposição, um restaurante e espaços para brincar, ler e fazer ginástica. "Tivemos de fazer readequações no projeto ao longo da obra", explica Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc.

Em 2017, a avenida ganhará um novo vão-livre, que será parte da sede do IMS (Instituto Moreira Salles). O térreo será aberto, como uma continuação da calçada. Ao fundo dele, haverá um restaurante, um jardim com obras de arte e uma escada rolante que leva a uma plataforma situada a 15 metros de altura. Lá em cima, os visitantes poderão ver a avenida a partir de um mirante, tomar um café e acessar as instalações internas, que incluem espaços expositivos e um cinema.

O projeto procurou interagir com a vocação empresarial da avenida. "A proposta é que o prédio fique mais visível à noite, quando os escritórios apagam as luzes", explica Vinícius Andrade, arquiteto responsável.

Um terceiro espaço cultural previsto para a avenida é o anexo do Masp, que deve ocupar o prédio vizinho, na esquina com a rua Professor Otávio Mendes. Porém, as obras, que já consumiram R$ 18 milhões, estão paradas e a nova direção do museu, que assumiu em setembro, não definiu quando retomará os trabalhos. Para que isso ocorra, é preciso renegociar o acordo com patrocinadores.

"TRIPLE A"

"Conseguir fazer um museu na Paulista é um grande feito. A via não tem mais terrenos e os poucos que restam são disputados para fins comerciais", avalia Andrade, do IMS. Nos próximos anos, a vocação empresarial da Paulista será reforçada com outras três torres de escritórios, além da Matarazzo.

Uma delas, a Paulista Tower, ao lado do Sesc, será entregue em abril de 2015 com dez andares. Ainda há salas disponíveis por lá, ao custo de R$ 29 mil o metro quadrado. Quando foi lançado, em 2012, o preço de venda era de R$ 19 mil por metro quadrado.

O valor atual é bem superior ao de lançamentos comerciais na Vila Olímpia, por exemplo, onde o metro quadrado sai por R$ 21 mil, em média, segundo dados da Embraesp, empresa que pesquisa preços de imóveis. No Paraíso e na Bela Cintra, esse custo é de R$ 15 mil. "A presença do metrô e a parte cultural, que a Faria Lima e a Berrini não têm, jogam a favor da Paulista", considera Fernando Pompeia, consultor da Embraesp.

Os lançamentos na região da Paulista foram raros na última década. A maioria dos prédios foi erguida entre os anos 1970 e 1980. O icônico edifício da Fiesp, por exemplo, é de 1979.

Paulista antiga

Para João da Rocha Lima Jr., coordenador do Núcleo de Real Estate da Poli-USP, a idade dos prédios diminuiu o interesse do mercado imobiliário pela avenida. "A Paulista perdeu qualidade porque os edifícios têm desenho antigo. Hoje, boa parte deles é totalmente ultrapassada", explica.

"Prédios 'triple A', que oferecem o que há de mais moderno para escritórios, são encontrados na Faria Lima e na marginal Pinheiros. Para empresas do mercado financeiro, é mais interessante estar na Faria Lima, pelo simbolismo do endereço", prossegue Rocha Lima.

A Torre Matarazzo terá a classificação "triple A", que inclui sistemas de economia de energia e foco no conforto térmico e acústico.

"A Paulista não está perdendo uma função urbana [de abrigar escritórios], mas consolidando as funções de cultura e lazer que já tinha", discorda Valter Caldana, coordenador do curso de arquitetura do Mackenzie. "Ela é um exemplo de uso misto e de retomada dos espaços públicos, uma tendência mundial. Por isso que todo mundo adora a Paulista".

Editoria de Arte

Para Antonio Carlos Francischini, presidente da Associação Paulista Viva, a via sempre foi eclética. "Com o crescimento das lojas e a abertura de espaços culturais, a diversidade deve aumentar ainda mais", analisa.

O maior uso da Paulista com fins de lazer foi impulsionado pela nova iluminação, instalada em 2011, pela reforma das calçadas e pela chegada de grandes redes de varejo, como Marisa, Renner e Riachuelo, que abriu uma loja de seis andares em maio. "O fluxo de pessoas que passa por lá abrange toda a pirâmide social", define Flávio Rocha, presidente da Riachuelo.

Na unidade, fazem sucesso roupas criadas em parceria com grifes. "Foi a segunda loja da rede que mais vendeu a coleção da Versace", comemora Flávio. O retorno da loja superou as expectativas e a empresa assinou contrato para abrir um novo ponto de venda nas redondezas, dentro do shopping Pátio Paulista.

METRÔ E CICLOVIA

As novas construções na Paulista também aumentarão em mais de 2.000 o número de vagas de estacionamento. Porém, as intervenções planejadas para a região privilegiam outros meios de transporte. A principal delas é a nova ciclovia, prevista para ser entregue no primeiro semestre. O traçado abrange toda a Paulista e também a av. Bernardino de Campos. Além da ciclovia, a Bernardino terá reforma das calçadas e da sinalização, com os totens pretos, símbolos da avenida.

No outro extremo, a prefeitura abriu um cruzamento para ônibus na rua da Consolação. Com isso, 13 linhas, que levam cerca de 120 mil passageiros por dia, ganham tempo ao evitar semáforos.

A CET também planeja instalar radares fixos para flagrar motoristas apressados, desrespeito ao rodízio e a presença de fretados, estrutura que a avenida não possui. Em 2013, a velocidade máxima da via foi baixada para 50 km/h. "A dificuldade para acessar a Paulista de carro também prejudica os negócios lá", considera Rocha Lima, da Poli-USP.

Ciclovia na avenida Paulista

O projeto executivo da reforma viária ainda não foi concluído e será anunciado até o fim de dezembro. Uma reportagem publicada pela sãopaulo mostrou erros no estudo preliminar divulgado pela CET. O documento aponta que o canteiro central, onde passará a ciclovia, tem 3,5 metros de largura. Porém, a reportagem detectou que o canteiro tem de 2,3 a 2,8 metros. Com isso, seria preciso tirar mais espaço das faixas para carros para construir a ciclovia, que deve ter 4 metros de largura. A companhia disse que as obras não eliminarão nenhuma das pistas de rolamento e que as faixas terão largura compatível com o Código de Trânsito Brasileiro.

Para quem vem pelos trilhos, a boa notícia é a construção de um novo acesso à entupida estação Paulista/Consolação. Uma nova entrada na rua Bela Cintra levará os passageiros direto à plataforma da linha 4-amarela. O Metrô concluiu o projeto da obra e fechou o contrato de locação do imóvel que abrigará a nova entrada, mas não tem prazo para a conclusão do trabalho. Também está em estudo um novo túnel entre as duas estações.

A abertura de outras paradas da linha 4, como a Oscar Freire e a Higienópolis-Mackenzie, previstas para 2015, deve reduzir o fluxo de pessoas que passam por lá a caminho de outros lugares. Porém, com as novidades, a Paulista terá cada vez mais razões para ser visitada

Autor:
RAFAEL BALAGO
DE SÃO PAULO


Fonte: Folha de São Paulo
Notícias

bacco arquitetos apresenta projeto do novo aeroporto internacional de bh em palestra no mm gerdau
ARQUITETURA
Bacco Arquitetos apresenta projeto do novo aeroporto internacional de BH em palestra no MM Gerdau
EMPRESAS
Sodimac estreia campanha institucional com novo posicionamento de marca
CURSOS
Construtora Emccamp conquista 1º lugar na categoria "Destaque em Residencial - Região Sudeste" do Ranking ITC
CONSTRUÇÃO CIVIL
Aluguel de contêiner gera economia de 40% com obras

mudancas na nr-12 pretendem aumentar a seguranca do trabalhador em maquinas e equipamentos
CONSTRUÇÃO CIVIL
Mudanças na NR-12 pretendem aumentar a segurança do trabalhador em máquinas e equipamentos
EVENTOS
Júnior Pacheco leva o Jardim do Éden para a Casa Cor Bahia 2017
CURSOS
Mackenzie Campinas e IBAPE/SP formam parceria para cursosna área de engenharia
CURSOS
1º Encontro Fluminense de Estudantes de Engenharia

aco corten o queridinho do estilo contemporaneo
CONSTRUÇÃO CIVIL
Aço corten: o queridinho do estilo contemporâneo
EMPRESAS
Inovação nas instalações prediais: solução de rede elétrica modular terá certificação inédita no país
EVENTOS
Siemens compartilha inovações para a cadeia energética durante FIEE 2017
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Itron cria rede de canais de venda para concessionárias de eletricidade na América Latina