Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo

Traços de Niemeyer no MoMa

Até julho, o Museum of Modern Art (MoMa) apresenta os croquis de estudo dos projetos de palácios, como o Alvorada e o Congresso Nacional, na exposição Latin America in construction: Architecture 1955 1980

Traços de Niemeyer no MoMa
Da contemplação, nas ruas de Brasília, para o salão de gala, em Nova York, os traços de Oscar Niemeyer ganham mais um espaço de reconhecimento. Até julho, o Museum of Modern Art (MoMa) apresenta os croquis de estudo dos projetos de palácios, como o Alvorada e o Congresso Nacional, na exposição Latin America in construction: architecture 1955 1980 (América Latina em construção: arquitetura de 1955 a 1980).

O evento reúne a produção dos expoentes da área no México, na Argentina, na Venezuela e no Brasil e mostra a riqueza técnica e criativa dos profissionais da prancheta. No caso do brasileiro, é a confirmação daquilo que se vê, todos os dias, ao circular pela cidade: arte refinada ao alcance dos olhos.

Esta é a primeira vez que a obra do arquiteto é exibida no museu, considerado o santuário da arte recente. A mostra ocupa o salão principal do prédio, no sexto andar, e fica lado a lado com um acervo precioso, que contém exemplares de Joan Miró, Henri Matisse e Wassily Kandinski.

Porém, no caso de Niemeyer, serão expostos três elementos: as pranchas originais do Congresso Nacional e do Palácio da Alvorada e a maquete do Instituto Central de Ciências (ICC), da Universidade de Brasília (UnB). A divulgação dos croquis permite conhecer como foi o processo de criação de Niemeyer e revela o árduo trabalho construtivo que permitiu sustentar cúpulas e fachadas suspensas. Esses originais ganharam destaque com a tese de doutorado do também arquiteto Elcio Gomes da Silva, pela UnB, em 2012. Silva se dedicou, por quatro anos, à análise dos registros para entender o apuro técnico dos idealizadores dos prédios de Brasília.

Os documentos estavam sob a guarda do Arquivo Público do Distrito Federal (ArPDF) e resultaram nas publicações acadêmica e editorial Os palácios originais de Brasília. A tese se converteu em livro e, em 2014, foi lançado.

Foram dois anos de expectativa até que a exposição fosse aberta ao público. A equipe do MoMa visitou os acervos do Arquivo Público, da Câmara dos Deputados e da UnB para conhecer a abrangência dos documentos. Inicialmente, foi feita a pré-seleção de 10 obras. Delas, três foram escolhidas. O trâmite entre museu e governo correu discretamente durante o período, conforme o Correio mostrou em reportagens de novembro de 2012 e janeiro de 2013. A proposta da exposição é apresentar e discutir a produção e a forma de produção construtiva na América Latina, durante o século 20, e, em especial, a partir da segunda metade dele. Isso porque a vanguarda dos projetos contrastava, até então, com a realidade econômica e social dos países. Em nações pouco industrializadas, como as da região, produzia-se arquitetura de referência.

Revisitada
A arquitetura brasileira já havia sido, há mais de 70 anos, discutida em exposições no MoMa, mas nada tão grandioso quanto agora (leia Memória). Em 1943, a fase de ouro do concreto armado era apenas esboço e ocupou os corredores de lá por apenas um mês. Desta vez, a proposta é fazer novo retrospecto da produção nacional, considerando a maturidade da corrente modernista. O foco é entender a engenhosidade dos palácios de Brasília, tarefa possível por meio da tese de Elcio Gomes da Silva. O autor explica que, a partir da investigação das colunas de armação do Palácio do Planalto e das vigas de sustentação do Congresso Nacional, por exemplo, chegou-se ao entendimento da grandiosidade estrutural e não só estética desses prédios. Nosso trabalho contribuiu para que as mágicas estruturais passassem a ser reveladas, defende.

Quando questionado sobre a sensação de ser parte de um momento de consagração da arquitetura nacional, o pesquisador não se deixa levar por vaidades. A satisfação é dupla. Existe a satisfação própria, como arquiteto, em aprender e entender as obras, e aquela ligada ao reconhecimento e à valorização dos monumentos pelo público. Quando ele percebe a riqueza dos projeto, todo mundo aprende. Os monumentos não o são à toa e é preciso conhecê-los para poder valorizá-los, afirma.

Além disso, o espaço conquistado no MoMa evidencia a constante capacidade de surpreender que o conjunto da capital federal tem. Apesar de Brasília já ser tão badalada lá fora, tão discutida, sempre há novidades, como as soluções destacadas nas pranchas, afirma. A projeção internacional também é importante para o reconhecimento dos atuais profissionais, explica o arquiteto. Dessa forma, cria-se uma cultura arquitetônica e construtiva também lá. Abrem-se oportunidades para que os nomes daqui sejam conhecidos lá. É uma oportunidade de aprendizado também para nós, porque os demais países da América Latina têm muitas obras que merecem ser mais bem conhecidas, destaca.

Para o embarque e a exposição em Nova York, as pranchas passaram por um processo de restauração. Por causa do desgaste próprio do tempo e da forma de armazenamento, o material apresentava alguns pontos que precisaram de atenção especial para evitar a deterioração trabalho desenvolvido pelo Centro de Documentação da Câmara dos Deputados. Em parte do material, havia marcas de terra e de fita adesiva para fixação das folhas. Foram três meses de restauro, em que a equipe retirou a cola da fita adesiva, que afeta o papel vegetal, conta Elcio. A exposição está em cartaz, no MoMa, de 29 de março a 19 de julho.

Memória

Arquitetura brasileira

Em 1943, o MoMa apresentou a exposição Brazil Builds. Três maquetes do então Ministério da Educação e Saúde, no Rio Janeiro, do Pavilhão Brasileiro na Feira Internacional de Nova York de 1939 e da Residência Arnstein, em São Paulo foram exibidas para apresentar a produção arquitetônica à época. A exposição percorreu os Estados Unidos e a Inglaterra e culminou com a publicação do livro homônimo. Naquele momento, Brasília não existia e a capital do país era o Rio de Janeiro. O evento foi uma iniciativa da curadoria do museu e do Instituto Americano de Arquitetos.

Serviço:
Exposição Latin America in construction: architecture 1955 1980

Onde: Museum of Modern Art (MoMa), Nova York
Quando: de 29 de março a 19 de julho

O livro:
Os palácios originais de Brasília

Autor: Elcio Gomes da Silva
Ano: 2014
Editora: Edições Câmara

Imagem: Croquis do Congresso Nacional e do Palácio da Alvorada em exposição no museu nova-iorquino: restauração
Fonte: Sinopse SINAENCO / Correio Braziliense - Edição Digital - Brasília/DF
Notícias

curso de galvanizacao a fogo fundamentos e inspecao
CURSOS
Curso de Galvanização a Fogo: Fundamentos e Inspeção
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Novo app gratuito dimensiona sistema de energia solar em um minuto
ECONOMIA E MERCADO
Aluguel de imóveis residenciais cai 0,33% em agosto, diz Fipezap
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Transformação digital alavanca setor imobiliário

curso radier - projeto e execucao chega a capitais nordestinas
CURSOS
Curso Radier - Projeto e Execução chega a capitais nordestinas
ARQUITETURA
Arquitetura inteligente consolida identidade de empresas
CURSOS
Aberto processo seletivo para o estágio no Governo de São Paulo
CONSTRUÇÃO CIVIL
Justiça de São Paulo condena empresas por esquadrias fora de norma

tubotech 2017 feira reune toda a cadeia do setor de tubos no mes de outubro em sao paulo
EVENTOS
TUBOTECH 2017: feira reúne toda a cadeia do setor de tubos, no mês de outubro, em São Paulo
CURSOS
Equipe da Mackenzie vence 10º Concurso do CBCA para Estudantes de Arquitetura
CONSTRUÇÃO CIVIL
Fachadas de ACM com pintura em PDVF podem durar de 30 a 50 anos
CURSOS
Rio de Janeiro vai sediar II Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo