Fale conosco Anuncie Sobre o Met@lica Links Recomendados
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS GUIA DE EMPRESAS TABELAS PROGRAME-SE NOTÍCIAS
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo
photo

Publicada em quatro partes a nova edição da NBR 5419 - Proteção contra descargas atmosféricas

A Norma, referência brasileira para Proteção contra descargas atmosféricas, agora conta com quase 400 páginas divididas em 4 partes. O documento é válido a partir de 22 de junho de 2015.

Publicada em quatro partes a nova edição da NBR 5419 - Proteção contra descargas atmosféricas
Resumo do documento:

Parte 1: Princípios gerais
Estabelece os requisitos para a determinação de proteção contra descargas atmosféricas fornece subsídios para o uso em projetos de proteção contra descargas atmosféricas. A aplicabilidade desta parte pode ter restrições especialmente na proteção da vida humana quando for baseada em efeitos indiretos de descargas atmosféricas. Não se aplica a sistemas ferroviários; veículos, aviões, navios e plataformas offshore, tubulações subterrâneas de alta pressão, tubulações e linhas de energia e de sinal colocados fora da estrutura.

Parte 2: Gerenciamento de risco
Estabelece os requisitos para análise de risco em uma estrutura devido às descargas atmosféricas para a terra. Tem o proposito de fornecer um procedimento para a avaliação de tais riscos. Uma vez que um limite superior tolerável para o risco foi escolhido, este procedimento permite a escolha das medidas de proteção apropriadas a serem adotadas para reduzir o risco ao limite ou abaixo do limite tolerável. A aplicabilidade desta parte pode ter restrições especialmente na proteção da vida humana quando for baseada em efeitos indiretos de descargas atmosféricas. Não se aplica a sistemas ferroviários, veículos, aviões, navios e plataformas offshore, tubulações subterrâneas de alta pressão, tubulações e linhas de energia e de sinais colocados fora da estrutura.

Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida
Estabelece os requisitos para proteção de uma estrutura contra danos físicos por meio de um SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas - e para proteção de seres vivos contra lesões causadas pelas tensões de toque e passo nas vizinhanças de um SPDA. É aplicável a: projeto, instalação, inspeção e manutenção de um SPDA para estruturas sem limitação de altura; e no estabelecimento de medidas para proteção contra lesões a seres vivos causadas pelas tensões de passo e toque provenientes das descargas atmosféricas.

Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura
Fornece informações para o projeto, instalação, inspeção, manutenção e ensaio de sistemas de proteção elétricos e eletrônicos (Medidas de Proteção contra Surtos - MPS) para reduzir o risco de danos permanentes internos à estrutura devido aos impulsos eletromagnéticos de descargas atmosféricas (LEMP). Não cobre a proteção total contra interferências eletromagnéticas devido às descargas atmosféricas, que podem causar mau funcionamento de sistemas internos. Entretanto, as informações relacionadas no Anexo A podem reduzir, de forma satisfatória, os danos aos equipamentos e também ser usadas para avaliar tais perturbações.

Principais mudanças na Norma

1. As edificações com altura superior a 10 metros , deverão possuir no subsistema de captação , um condutor periférico em forma de anel , contornando toda a cobertura e afastado no máximo a 0,5m da borda.

2. Condutores em Alumínio, mesmo com capa isolante, continuam sendo proibidos dentro de calhas de água pluvial. O cobre passa a ser permitido nestas condições.

3. Em paredes de material inflamável , o afastamento dos condutores passa a ser de no mínimo 10 cm. Nos demais tipos de parede, os condutores podem ser fixados diretamente sobre as mesmas , ou embutidos dentro do reboco.

4. A norma agora expõe com mais detalhes, a utilização de ferragens estruturais como parte do SPDA, com destaque para os sistemas que utilizam barra adicional dedicada , como forma de garantir a continuidade elétrica e a equalização de potenciais ( Anexo D ).

5. Passa a ser permitida a utilização das ferragens de estruturas de concreto protendido como parte integrante do SPDA. Os cabos de aço da estrutura protendida NÃO poderão ser utilizados como parte do SPDA.

6. A tabela 4 determina agora as espessuras mínimas para que estruturas metálicas ( por exemplo, tanques ) possam ser utilizadas no SPDA. São definidas espessuras para não haver pontos quentes ( para tanques de inflamáveis e explosivos ) , e pontos de perfuração ( para tanques de ácidos, por exemplo ).

7. Todas as peças e acessórios de origem ferrosa, usados no SPDA, deverão ser galvanizadas a fogo ou banhadas com 254 micrometros de cobre. Fica assim proibida a zincagem eletrolítica.

8. A ligação que era feita entre os anéis horizontais de cintamento e as caixas de equalização secundárias não deverá mais ser executada. Deverá ser instalada uma prumada vertical para interligar as caixas de equalização secundárias à caixa de equalização principal (LEP).

9. O valor da resistência de aterramento de 10 ohms continua sendo recomendado , porém , em locais onde o solo apresente alta resistividade , poderão ser aceitos valores maiores, desde que sejam feitos arranjos que minimizem os potenciais de passo , e que os procedimentos sejam tecnicamente justificados.

10. O parágrafo sobre o congelamento do solo foi retirado.

11. Nos SPDA estruturais que não utilizarem a barra adicional dedicada, deverão ser feitas medições de continuidade elétrica entre diversos pontos da estrutura, pois na maioria dos casos a execução não é acompanhada pelo responsável técnico do SPDA.

12. Em caso de não necessidade de SPDA, deverá ser emitido um atestado através do anexo B da norma.

13. Para áreas classificadas o volume a ser protegido deverá ser considerado acima da área de evaporação dos gases ( plano fictício ).

14. Foi incluído um novo mapa de curvas isocerâunicas da região sudeste com dados mais recentes

15. A norma traz no Anexo E as exigências para a medição de continuidade elétrica de ferragens.

16. Todas as tabela passaram a ser inseridas dentro do texto da norma.

17. O módulo ( mesh ) da gaiola de Faraday foi aumentado para os níveis II , III e IV, de forma que o comprimento passa a ser o dobro da largura.

18. O texto na nova norma deixa explícito que, caso o cálculo do número de descidas dê como resultado um número menor que 2, deverão ser instaladas mesmo assim, pelo menos 2 descidas para qualquer tipo de edificação. Postes metálicos não necessitam de descidas , podendo ter a sua estrutura aproveitada como descida natural.

19. Nos casos onde for impossível a execução do anel de aterramento inferior dentro de valetas , deverá ser feito um anel de equalização a até 4 metros acima do nível do solo.

20. Caso sejam utilizados cabos como condutores de descida, estes não poderão ter emendas (exceto a emenda no ponto de medição), nem mesmo com solda exotérmica . Para condutores de perfis metálicos , as emendas continuam permitidas.

21. Foi retirada a exigência de se banhar com chumbo, as peças e acessórios usadas no topo de chaminés.

22. A norma reforça a exigência de se documentar toda a instalação, através de projetos e relatórios técnicos, e de se fazer as vistorias periodicamente.

23. As descidas do SPDA deverão distar das tubulações de gás no mínimo 2 metros . Caso esse distanciamento não seja possível as tubulações deverão ser equalizadas a cada 20 metros de altura, diretamente no SPDA ou indiretamente através de DPS (Dispositivo de Proteção de Surtos) dependendo do caso.

24. Em estruturas cobrindo grandes áreas com larguras superiores a 40 metros, são necessários condutores de descida no interior do volume a proteger (requisito que será naturalmente atendido no caso de estruturas metálicas ou com armaduras de aço interligadas)

A nova NBR está disponível no site da ABNT, Confira:
Coletânea Eletrônica de Normas Técnicas - Protecão Contra Descargas Atmosfericas


Fontes:
Epslon Engenharia - http://www.epslonengenharia.com.br/
Target Engenharia e Consultoria. - https://www.target.com.br/
Imagem: Climatempo
Notícias

planejamento urbano evita enchentes no periodo chuvoso
INFRAESTRUTURA
Planejamento urbano evita enchentes no período chuvoso
CONSTRUÇÃO CIVIL
Novo produto ajuda setor da construção a produzir tubulações de metal com roscas mais precisas
EVENTOS
Papaiz lança na Feicon sua coleção 2017 de fechaduras
CURSOS
Novas turmas do curso sobre projeto de reforço de estruturas de concreto armado

lancamento lumini gamela color
EMPRESAS
Lançamento lumini: Gamela Color
EVENTOS
Novidades em abrasivos para indústrias de móveis e madeira são destaques da Norton na FIMMA 2017
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Tecnologias inovadoras reduzem consumo de água na construção
EVENTOS
Soluções BIM para Estruturas Metálicas

mrv engenharia adota praticas de reuso de agua em canteiros de obras em sao paulo
ARQUITETURA
MRV Engenharia adota práticas de reuso de água em canteiros de obras em São Paulo
EVENTOS
Construção civil recebe aportes do Governo Federal e indústria investe para aumentar a participação no mercado
EMPRESAS
Direcional Engenharia realiza ação promocional com preços diferenciados e condições especiais
CONSTRUÇÃO CIVIL
Viapol alerta para a importância de impermeabilizar jardins verticais